O cliente carrapato!

carrapato

Era o ano de 1991 e eu estagiava como Auditor de um importante banco no país. Visitava as agências bancárias, as vezes de forma programada, outras vezes de surpresa, e no início era sempre acompanhado por um auditor mais experiente, chamado Guru!

Estando numa agência no interior de Goiás, sobre a qual pairavam uma lista grande de denúncias (nem sempre verdadeiras!) sobre a atuação de gerentes de conta e do gerente principal, eu seguia uma cartilha de procedimentos para auditores iniciantes.

A cartilha era muito bem redigida (aliás, uma das qualidades deste banco onde trabalhava, redações perfeitas, como manda a melhor gramática de português!) e eu trabalhava sempre acompanhado pelo Guru que, neste caso, me delegava a maior parte das tarefas, pois já era a terceira missão que fazíamos juntos!

Depois de uns dez dias eu disse, Antônio (nome fictício para o Guru), já terminei todos os levantamentos e testes e nada encontrei de errado. Talvez alguns poucos casos de adiantamento a depositantes, mas que, aparentemente,  estão sob controle, porque o gerente sempre tem uma boa explicação para a origem do evento e boa perspectiva de regularização. E complementei, acho que vamos terminar antes do prazo e já poderemos seguir para o núcleo de auditoria para finalizar o relatório!

O Antonio respondeu:

  • Não senhor, só estamos começando. Agora vai começar de fato a auditoria, vamos analisar as operações dos clientes carrapatos!
  • Uai, que história é essa? Isso não está no roteiro!
  • Pois é, mas é a parte mais animada desta auditoria! Tenho informações de que alguns clientes vem acompanhando o gerente da agência nos últimos dez anos. Por onde ele passa (eis que os gerentes de agencia deste banco eram rodiziados de três em três anos, em média), ele carrega alguns clientes. Estes são os clientes carrapatos! Se você pegar uma amostra aleatória a chance de encontrar problemas, segundo a minha experiência, é algo em torno de 5%, mas se você pegar uma amostra de clientes carrapatos, esta chance aumenta para uns 25%.

E não deu outra, foi só pegar a relação dos tais clientes que começaram a aparecer as irregularidades nas operações de crédito, em percentual bem acima da média!

Isto ocorre em todas as instituições financeiras! Sem exceção! É bom sempre ter um programa de auditoria para avaliar tais clientes e suas operações!

 

Leave a Reply